Educação

Com mais de 100 mil contaminados, Pernambuco ainda estuda reabertura de escolas

Publicado dia 12/08/2020 às 13h22min
Esta foi a 5ª pior semana de novos contágios no estado

Na semana que foi de 3 a 9 de agosto, encerrada neste domingo, Pernambuco teve 7.164 novos casos diagnosticados de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). O número é elevado e representa a 5ª semana com maior número de diagnósticos positivos desde o início da pandemia, mas o número também é uma queda (-2.340) em relação aos casos detectados na semana anterior, a pior do período pandêmico até o momento. Entidades representativas das instituições privadas de ensino pressionam Governo do Estado pela retomada das aulas, mas por enquanto o Executivo estadual apresentou um calendário apenas para cursos de línguas, qualificação profissional e auto-escolas.

Nesta semana foram registradas 307 mortes, um aumento (+25) em relação à semana anterior. O número semanal de mortes por covid-19 no estado, que chegou ao pico de 684 em maio, tem apresentado uma tendência de queda, apesar de o número de contágios seguir alto. Com os números desta segunda-feira (10), Pernambuco chegou aos 105.381 casos e 6.970 mortes, com uma taxa de letalidade de 6,61% (o índice também tem caído a cada semana). A letalidade ainda está bastante elevada, distante do 1% confirmado internacionalmente por pesquisadores. Deste modo, pode-se mensurar uma razoável subnotificação de casos.

 

Balanço do número de mortes por covid-19 em Pernambuco / Vinícius Sobreira

 

Pelos números confirmados de casos, 1,1% dos 9 milhões de pernambucanos já tiveram contato com o vírus. Mas como durante boa parte do período pandêmico os testes foram restritos apenas aos casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), ignorando os casos leves e assintomáticos, estima-se que nacionalmente haja subnotificação de aproximadamente 7 vezes. Se aplicada esta média a Pernambuco, o estado teria próximo a 8% de toda sua população contaminada pelo vírus, ou mais de 700 mil casos.

No momento Pernambuco tem 15.418 pessoas diagnosticadas e com o vírus ativo, em tratamento em casa ou internadas. O número corresponde a 14,5% do total de contaminados no estado até o momento. Outras 83.137 pessoas (78,9%) já se recuperaram, enquanto 6.970 (6,6%) não sobreviveram.

 

Número total de dados de novos casos, óbitos e curas da covid-19 no estado desde o início da pandemia / Vinícius Sobreira

 

Segundo o Governo do Estado, os índices por região apontam um recuo no ritmo de contágios na Região Metropolitana do Recife, que possui hoje uma taxa de ocupação de leitos em 65%, enquanto a doença ainda avança em algumas regiões do interior de Pernambuco. No Sertão do Araripe, os dois maiores municípios, Araripina e Ouricuri, concentram 70% dos casos de síndrome respiratória aguda grave daquela região.

Por isso, os dois municípios, que somados têm mais de 150 mil habitantes, estão submetidos desde a última sexta-feira (7) às regras de quarentena rígida, as mesmas impostas a todo o estado na segunda quinzena de maio. Assim, os dois municípios retroagem à “etapa 2” do calendário de retomada das atividades econômicas, mantendo abertos apenas os serviços essenciais. O isolamento rígido segue até esse domingo (16). Os demais municípios da região do Araripe permanecem na “etapa 4”.

Ainda no Sertão, os municípios de Petrolina, Salgueiro e região avançaram nesta segunda-feira (10) para a “etapa 5”, com reabertura dos serviços de escritório (apenas 50% dos funcionários) e comércio de vendas e locação de veículos (com 100% dos trabalhadores). Já os municípios de Afogados da Ingazeira, Serra Talhada, Arcoverde e região avançaram para a “etapa 6”, reabrindo academias, restaurantes, bares e lanchonetes com horário restrito até as 20h e apenas 50% da capacidade de clientes.

Na região Agreste, que entrou na “etapa 6” há uma semana, permanece nesta etapa, mas já pode reabrir feiras dos polos de confecções, com protocolos definidos pelas prefeituras. A Região Metropolitana do Recife iniciou nesta segunda a “etapa 7”, com ampliação dos horários de funcionamento dos restaurantes e centros comerciais até às 22h. Também foi autorizada a retomada das competições esportivas de modalidades individuais, incluindo vaquejadas, desde que sem público e com protocolos definidos pelas prefeituras.

 

Novos diagnósticos e mortes causadas pelo coronavírus no estado / Vinícius Sobreira

 

Volta às aulas

Colocado como “maior desafio” deste momento de retomada, o retorno das atividades presenciais nos centros de ensino ainda não tem calendário definido. Toda e qualquer atividade de educação presencial em salas de aula permanecem suspensas pelo menos até 15 de agosto. Na última quinta-feira (6) o secretário estadual de Educação, Fred Amâncio, confirmou a volta das aulas presenciais em “cursos livres”, que são as atividades de ensino que não são da educação básica (Ensino Fundamental e Médio) ou superior. Os cursos preparatórios para vestibular e similares seguem com aulas presenciais suspensas. A permissão é referente a cursos de línguas, cursos de qualificação profissional e auto-escolas.

Estes devem retomar as atividades completamente até a primeira semana de setembro: a partir de 17 de agosto, aulas com apenas 25% da capacidade da instituição e apenas com estudantes acima dos 18 anos; uma semana depois, em 24 de agosto, podem funcionar com até 50% de sua capacidade e receber estudantes acima dos 15 anos; em 31 de agosto sobe para 75% da capacidade e estudantes maiores de 11 anos; o funcionamento com capacidade total do centro de ensino se dá a partir de 8 de setembro. Apesar de os protocolos terem sido divulgados pela Secretaria de Educação em 15 de julho, ainda não há previsão para o retorno das aulas regulares. Segue pendente um documento com orientações pedagógicas informando o novo calendário escolar e tratando da reposição de aulas, que devem se estender até 2021.

O calendário apresentado pelo Governo de Pernambuco frustrou as expectativas do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de Pernambuco (Sinepe), que têm pressionado pela retomada das aulas presenciais o quanto antes. Há um mês propuseram ao Governo do Estado retomar as aulas ainda no fim de julho. As aulas presenciais estão suspensas – em instituições públicas e privadas – desde 18 de março. Muitas instituições privadas adotaram o ensino remoto, mas a evasão de alunos (e recursos) tem sido elevada. O número de cancelamento de matrículas levou as instituições a encerrarem grande parte das turmas do ensino infantil, que atendem crianças dos 2 aos 5 anos.

No último dia 4 de agosto, em assembleia virtual de prefeitos realizada pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), com a presença dos secretários estaduais de Saúde e Educação, além do governador Paulo Câmara (PSB), os prefeitos pediram que as aulas presenciais só sejam retomadas em 2021.

A Secretaria de Educação (SEE) também lançou o programa “Conecta Aí”, em que estudantes poderão usar o aplicativo Educa-PE sem custos, já que os dados móveis de internet das operadoras serão custeados pelo Governo do Estado. No app foram disponibilizadas aulas para os estudantes, que também são transmitidas em diversos horários na TV Pernambuco (canal 45) e TV Universitária Recife (canal 11). Mas o app possui outras funcionalidades para a realização de atividades, incluindo o acesso ao Google Sala de Aula. O investimento é da ordem de R$23 milhões e o Governo acredita que vai beneficiar 500 mil estudantes e 30 mil educadores.

 

Edição: Vanessa Gonzaga

Fonte: Vinícius Sobreira/ Brasil de Fato