Saúde

Em Pernambuco, registros de hepatite C caem 29,8% em cinco anos; casos dos tipos A e B sobem

Publicado dia 29/07/2021 às 16h54min | Atualizado dia 02/08/2021 às 01h56min
Informe marca o encerramento do Julho Amarelo, mês de luta contra as hepatites virais

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) lançou, nesta quinta-feira (29), o informe epidemiológico de hepatites virais para 2021, com números referentes ao período de 2016 a 2020. 

De acordo com os dados, Pernambuco registrou aumento de 7,4% nos casos de hepatite A; aumento de 17,8% nos registros de hepatite B; e queda de 29,8% nas notificações de hepatite C.

O informe marca o encerramento do Julho Amarelo, mês de luta contra as hepatites virais. 

Em números, o Estado registrou 27 casos de hepatite A em 2016; 20 no ano de 2017; 19 em 2018; 19 no ano de 2019; e 29 no ano de 2020. 

Já os casos de hepatite B foram 241 casos em 2016; 242 no ano de 2017; 310 em 2018; 428 no ano de 2019; e 284 no ano de 2020. 

Em relação à hepatite C, foram 252 casos em 2016; 246 no ano de 2017; 239 em 2018; 291 no ano de 2019; e 177 no ano de 2020.

"O Julho Amarelo nos relembra que hepatite viral tem prevenção, tratamento e cura. Todo mundo deveria ir a uma unidade de saúde com seu cartão de vacina para conferir se o esquema vacinal da hepatite B está atualizado, assim como também buscar a testagem para as hepatites B e C", pontua a gerente do Programa Estadual de IST/Aids/HV, Camila Dantas.

Disponível em alguns postos de saúde e nos Centros de Testagem e Aconselhamento, o teste rápido é fundamental para a detecção da doença. “O diagnóstico precoce também é uma importante forma de prevenção, melhor ainda quando associado a um sexo mais seguro e à vacinação. A gente também aproveita para reforçar com os profissionais que a notificação dos casos é fundamental às análises epidemiológicas”, acrescenta Camila.

 

A doença
Hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. 

São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

A transmissão das hepatites ocorre por via sanguínea, através de relações sexuais desprotegidas ou compartilhamento de seringas e objetos cortantes, e de mãe para filho, durante a gravidez. Importante lembrar que para todos os tipos de hepatites virais, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece o diagnóstico através dos testes rápidos e/ou sorologias e, caso seja necessário, disponibiliza o tratamento para a doença.

 

Foto: Miva Filho/SES-PE

Fonte: Portal Folha de Pernambuco